CERELA   05438
CENTRO DE REFERENCIA PARA LACTOBACILOS
Unidad Ejecutora - UE
artículos
Título:
Prevalence and characterization of vaginal lactobacillus species in women at reproductive age without vulvovaginitis
Autor/es:
ELIANE MELO BROLAZO; JOSE ANTONIO SIMÕES; MARIA ELENA FÁTIMA NADER; MARIA SILVINA JUÁREZ TOMÁS; GUSTAVO BUENO GREGORACCI; CAMILA MARCONI
Revista:
REVISTA BRASILEIRA DE GINECOLOGIA E OBSTETRíCIA
Editorial:
Sociedad Brasilera de Obstetricia y Ginecologia
Referencias:
Año: 2009 vol. 31 p. 189 - 189
ISSN:
0100-7203
Resumen:
Objetivos: Identificar as espécies de lactobacilos isolados do conteúdo vaginal de mulheres saudáveis e assintomáticas, determinar as espécies mais prevalentes e caracterizá-las quanto a produção de ácido láctico, peróxido de hidrogênio (H2O2) e sua capacidade de adesão às células do epitélio vaginal. Métodos: A partir de amostras de conteúdo vaginal de 135 mulheres sem queixa de corrimento e com diagnóstico laboratorial negativo para infecções vaginais acompanhadas nos ambulatórios de ginecologia do CAISM foram isoladas 83 cepas de lactobacilos. A maioria foi identificadas por PCR multiplex e as que não tiveram sua identificação completa foram submetidas ao sequenciamento do gene RNAr 16S. Foram então avaliadas quanto à produção de ácido láctico, de H2O2, bacteriocinas e a capacidade de adesão às células epiteliais. Resultados: Das 135 amostras coletadas, 11 foram excluídas por infecções. Das efetivamente incluídas, foram isoladas e identificadas 83 cepas de lactobacilos, 90% pelo método do Multiplex PCR e as restantes pelo seqüenciamento do gene RNAr 16S. A espécie predominante foi L. crispatus presente em 30,1% das mulheres, seguida de L. jensenii (26,5%), L. gasseri (22,9%) e L. vaginalis (8,4%). Das 83 cepas de lactobacilos analisadas, apenas 20 não apresentaram produção de H2O2 detectável pela técnica em placa.  Foram selecionadas 37 linhagens para teste de adesão às células epiteliais. Destas, 12 tiveram índice de adesão entre 50% e 69% e 10 um índice igual ou maior a 70%. As restantes apresentaram pouca capacidade de aderir às células epiteliais. Nenhuma das cepas testadas produziu bacteriocinas. Conclusões: Além de mais prevalentes, L. crispatus, L. jensenii e L. gasseri, foram as espécies capazes de atingir menores valores pH em meio de cultura e produzir mais H2O2 características importantes para proteção contra várias infecções.